29 de Novembro de 2014


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

15/04/2010
O grito mudo: as várias facetas da voz no teatro

Maria Laura Wey Märtz*

O trabalho vocal no teatro não se restringe às técnicas de aquecimento, respiração, articulação e impostação, de modo a fazer com que a voz do ator chegue às últimas fileiras da plateia sem a necessidade de uso de tecnologia de amplificação ou de abuso vocal.
A voz no teatro faz parte da composição do personagem em todos os seus aspectos. Nesta perspectiva, voz é corpo e corpo é voz. Podemos pensar, inclusive, que não há necessidade de se propagar o som para que a voz de um personagem seja ouvida.
Exemplo disso vemos na excelente interpretação de Helene Weigel (1890-1971) na peça Mãe Coragem, de Bertold Brecht. Importante atriz alemã e diretora da companhia Berliner Ensemble, representou os principais papéis da obra do dramaturgo alemão. A ela, Brecht dedicou o poema "Os Requisitos da Weigel", em que apresenta seu minucioso e artesanal trabalho de atriz na composição do papel-título da peça (link para o poema).
A cena do 3º ato é bastante tensa na relação que se estabelece entre Mãe Coragem e um Sargento que fala, referindo-se a um corpo que jaz sob um lençol na padiola trazida pelos soldados:
“É um elemento de quem nem o nome sabemos. Mas é preciso ficar registrado, para que tudo continue em ordem. Ele uma vez fez uma refeição aqui, com a senhora. Dê uma
olhada, para ver se o reconhece! (retira o lençol). Sabe quem é? (Mãe Coragem nega com um sinal de cabeça). Nunca o viu, antes dele vir comer aqui? (Mãe Coragem abana a cabeça, negativamente). Podem levá-lo. Joguem na vala comum: não há ninguém que saiba quem ele é.”
Em seguida, os soldados saem levando o morto. De acordo com a trama, sabemos que o corpo é do soldado Schweizerkas (Queijinho), filho de Mãe Coragem. Quando os soldados o trazem para a cena, suspeitam que seja mesmo seu filho e querem que ela identifique o corpo, mas ela nega, mantendo uma expressão fixa e ausente.
No entanto, quando o corpo foi levado, Mãe Coragem voltou sua cabeça para a direção oposta e abriu amplamente sua boca, num grito mudo, assim anotado por George Steiner, espectador da famosa montagem do Berliner Ensemble:
“Ela voltou a cabeça e abriu bem a boca, tal como o cavalo gritante no Guernica de Picasso. Um som áspero, terrificante, indescritível, foi emitido pela sua boca. Mas, de fato, não havia som. Nada. Era o som do silêncio absoluto. Um silêncio que gritava e gritava através do teatro, fazendo a platéia curvar suas cabeças como se tivessem sido atingidas por um rajada de vento.”
O grito mudo foi composto após muitas representações: a postura de enorme dor, a boca amplamente aberta sem, no entanto, emitir nenhum som, ganhou expressão e forma quando a atriz se lembrou de uma imagem estampada num jornal, que trazia a fotografia de uma mulher indiana gritando durante o assassinato do seu filho.
O corpo inteiro da atriz se tornou voz, embora voz não houvesse. Podemos pensar que a necessidade expressiva deu ensejo à criação deste grito mudo, que ultrapassa em intensidade e tensão os limites físicos do grito mais forte que a atriz pudesse emitir.
No trabalho artístico é sempre útil a lembrança de que a imaginação pode nos ajudar a superar criativamente os limites do corpo e da voz.

* Maria Laura Wey Märtz - fonoaudióloga clínica, docente do curso de Fonoaudiologia da PUC/SP, doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, autora do livro Problemas de Linguagem – Série Clínica Psicanalítica (Casa do Psicólogo, 2008) e co-autora de Histórias de contar e de escrever – a linguagem no cotidiano (Summus, 1995).

Imagem: A Arte Secreta do Ator, Barba e Savarese, 1995, Editora da Unicamp e Hucitec.


Voltar

Compartilhe: